quarta-feira, 26 de maio de 2010

CHECKS "A", "B", "C" e "D" - Programas de Manutenção (o básico).

Toda empresa de manutenção é regida pelo Regulamento Brasileiro de Homologação Aeronáutica – RBHA 145 e obedece um conjunto de padrões internacionais, garantindo os requisitos mínimos de segurança de vôo.
Os períodos recomendados para a revisão geral dos componentes e acessórios estão especificados em horas de operação e/ou anos de instalação e deverão ser cumpridos de forma repetitiva. Assim, todo fabricante de aeronave possui um determinado programa de manutenção preventivo ou corretivo para cada modelo de aeronave, que só pode ser executado por oficinas de manutenção devidamente homologadas pela autoridade aeronáutica. Isso deve ao fato de que todo mecânico de aeronave deve ser altamente capacitados para executar os procedimentos e reparos especificados em cada um dos programas.
Os procedimentos e reparos executados, tais como: motores, hélices e célula são devidamente anotados nas Cadernetas da Aeronave, evidenciando o compromisso e a responsabilidade da oficina, assim como do operador ou explorador da aeronave. Além das revisões condicionadas às horas de operação da aeronave, existe uma revisão anual chamada de Inspeção Anual de Manutenção (IAM) que é realizada independentemente do vencimento das horas de operação. A IAM e a revisão de 100 horas são inspeções completas da aeronave.
Como toda máquina, as Aeronaves precisam de manutenção constante para que seus componentes e sistemas funcionem de acordo com o previsto, melhorando a aeronavegabilidade, a confiabilidade e também sua vida útil. As revisões devem ser periódicas e de acordo com um determinado tempo de utilização. Existem quatro tipos de checks: Check A e Check B, consideradas revisões de rotina; e Check C e Check D, de duração e análise mais aprofundada.
Check A (alfa) – Uma vez por mês, é realizada uma revisão geral do estado da aeronave. Varia de acordo com o tipo de aeronave, e com o número de ciclos, ou seja, decolagem e aterrissagem, ou com o número de horas voadas, desde a última revisão.
Check B (beta) – A cada três meses e de acordo com o fabricante, um grupo de peças é revisada e analisada de acordo com o número de horas voadas.
Check C (charlie) – Uma nova revisão ocorre a cada 12 ou 18 meses. Esta revisão é mais complexa e requer que a aeronave fique em solo até a conclusão das avaliações, realizadas em um centro de manutenção.
Check D (delta) - É a mais complexa das revisões. São realizadas a 5 anos de acordo com os dados do fabricante, e implica o total, ou parcial, desmantelamento da aeronave para inspeção.
Devo salientar que esses programas de manutenção estão inseridos dentro de uma filosofia de segurança muito mais ampla. Já tratei disso aqui no blog; são os MSG's (clique aqui para reler), responsáveis pela coordenação de todas as áreas que envolvem o projeto de uma aeronave classificando, organizando e determinando o programa de manutenção ideal e mais eficiente para o equipamento.

Um comentário:

Difut SUDAM disse...

Olá, muito interessante o blog, parabéns! Tenho uma dúvida: qual a diferença dos checks para a IAM, inspeção de 100h, etc? Os checks são espécies de "tarefas" que fazem parte, por exemplo, de uma IAM, ou é um tipo diferente de inspeção?
Agradeço a atenção